John 5: glamour, terror e muita guitarra

John William Lowery nasceu em 31 de julho de 1971 em Grosse Pointe, Michigan. John começou a tocar guitarra aos sete anos de idade inspirado por um programa de televisão que assistia com seu pai, Hew Haw com Buck Owens e Roy Clark. Seus pais apoiaram John com sua musica desde que ela não atrapalhasse o seu desempenho no colégio. Eles inclusive acompanhavam John nos shows que fazia em bares.

John deixou sua cidade natal e se mudou para Los Angeles aos 17 anos para ser musico de estúdio. Sua primeira banda em LA foi Alligator Soup, que o levou a ter um encontro importante com Rudy Sarzo, baixista na época da banda Whitesnake, que deu lhe alguma exposição.

John conheceu também o produtor Bob Marlette, que já havia trabalhado com artistas como Black Sabbath, Rob Halford e Tracy Chapman. Com Marlette, John trabalhou em inúmeros projetos de trilhas sonoras para programas de televisão e filmes como Speed 2: Cruise Control.

A cantora Lita Ford chamou John para sua banda em uma turnê que abriram para Kiss, uma paixão de infância de John, que tornou-se amigo dos membros, especialmente de Paul Stanley, tendo participado em seu disco solo de 2006, Live To Win.

John teve também um projeto de curta duração com o baterista Randy Castillo chamado Red Square Black. Eles chegaram a produzir um EP, mas John teve que abandonar o projeto quando foi selecionado entre 2000 guitarristas para tocar na turnê da cantora K.D. Lang.

Em 1996, John foi para seu primeiro teste para tocar com Marilyn Manson, mas chegou atrasado e o posto foi preenchido por Mike Timothy Linton, que ficou conhecido como Zim Zum.

Rob Halford e 2wo

John juntou-se então com Rob Halford, ex-vocalista da banda Judas Priest, e formaram a banda de metal industrial 2wo (Two). Com essa banda, lançou o disco Voyers remixado por Trent Reznor e lançado por sua gravadora Nothing Records, filiada à Interscope Records (Universal). O disco não foi um sucesso comercial mas produziu um vídeo para a música I’m A Pig. A banda saiu para turnê e fizeram parte do Ozzfest mas a turnê foi cancelada e a banda acabou.

David Lee Roth

O próximo projeto de John foi com David Lee Roth, ex-vocalista do Van Halen, quando participou em 1998 de seu disco solo The DLR Band. John era fã de Van Halen desde criança e, conhecendo o estilo, mandou seis músicas para o empresário de Roth. Tendo elas sido aprovadas por Roth, mandou mais. Os dois encontraram-se então para gravar The DLR Band. John foi chamado novamente por Roth em 2003 para o disco Diamond Dave em que contribuiu na faixa Thug Pop.

Marilyn Manson

Depois de gravar o disco Mechanical Animals Marilyn Manson estava novamente em busca de um guitarrista depois de ter dispensado Zim Zum durante as gravações. John foi novamente a um teste da banda e, depois de voltar de uma turnê na Europa com Rob Halford, recebeu uma ligação do empresário de Manson perguntado se ele gostaria de almoçar com o Anticristo. Nesse almoço, Manson convidou John para entrar na banda, dando a ele o nome John 5. Com o novo nome, John embarcou na turnê de Mechanical Animals, tendo a sua primeira apresentação com a banda sido no MTV Vídeo Music Awards de 1998.

John aparece em vários vídeos de Mechanical Animals como em Rock Is Dead e Coma White. Em 1999, saiu um disco ao vivo de gravações das turnês Mechanical Animals e Rock Is Dead de Marilyn Manson com John nas guitarras. Esse disco chegou a vender duas milhões de cópias mundialmente e alcançou a posição 82 no The Billboard 200 de 1999. Essas turnês também renderam o vídeo God Is In The TV que contêm imagens das apresentações ao vivo.

O disco Holy Wood (In The Shadow Of Death Valley) foi o primeiro disco de estúdio de Manson a ter a participação de John 5, que ajudou a escrever 15 das 19 músicas. Esse álbum atingiu a posição número 13 no Billboard 200 e vendeu 427 mil cópias nos Estados Unidos até dezembro de 2001. John 5 ganhou um visual à altura dos conceitos desse disco que foi lançado em 13 de novembro de 2000, cerca de um ano depois do massacre na Columbine High School em 20 de abril de 1999. A mídia e os políticos americanos culparam Manson alegando que os adolescentes assassinos teriam se inspirado na sua musica e imagem gótica. Manson em contrapartida atacou a América conservadora cristã e a mídia, ao ressaltar a obsessão americana por armas, religião e fama, esta última ligada a pessoas que morreram em aparições públicas e que tiveram suas mortes romantizadas pela mídia, transformando-as em mártires, como John F. Kennedy. John 5 pode ser visto nos vídeos das músicas Disposable Teens, Fight Song e The Nobodies, além do vídeo Guns, God and Government World Tour, com imagens de shows nos Estados Unidos, Rússia, Japão e Europa, lançado em 29 de outubro de 2002.

O próximo e último disco de estúdio de Marilyn Manson com John 5 foi The Golden Age Of Grotesque, de 2003, em que John compôs com os outros membros 13 das 15 músicas. Esse disco debutou em número um no The Billboard 200, vendendo 120 mil cópias na primeira semana. Entretanto foi o disco número um que menos vendeu no ano. Nesse ano, ele foi disco de ouro na Austrália, Áustria, França, Alemanha e Suíça. Em novembro de 2008, o álbum já tinha vendido 526 mil cópias.

Depois da turnê para promover esse disco, John decidiu partir caminhos com Marilyn Manson. Embora eles tenham tido um mal entendido durante uma performance no Rock AM Ring de 2003, quando Manson ao pular pelo palco chutou John, que por sua vez largou sua guitarra e fez gestos para Manson chamando-o para uma briga, John alega que a separação foi amigável e que ele teria reagido de maneira não profissional no palco devido a problemas na sua vida pessoal, ele havia perdido alguns parentes nessa época.

Carreira solo

Embora John não fosse mais da banda de Manson, em 2004 foi lançado a coletânea Lest We Forget com singles, alguns da época de John. Esse disco vendeu três milhões de cópias mundialmente. Nesse ano, John lançou seu primeiro disco solo, Vertigo, e já tendo fama mundial devido a sua temporada com Marilyn Manson, pôde mostrar suas habilidades com a guitarra, em músicas que variavam do estilo heavy metal ao country, grande influência de John. Uma característica que o diferenciou de outros guitarristas do gênero de música instrumental é que John aproveitou o seu visual gótico e os temas das músicas, tanto nos nomes, fazendo referências a serial killers, assim como Manson, como nas melodias e texturas, tornando-as aterrorizantes e divertidas.

John seguiu essa linha com seu segundo álbum solo, Songs For Sanity, que teve a participação inclusive de Steve Vai. Desde que entrou para Marilyn Manson, John já era figura carimbada nas revistas especializadas de guitarra, mas agora mais do que nunca John havia se consagrado como um dos grandes guitarristas da atualidade por causa de seu grau de profissionalismo, postura artística e técnica.

Durante a época de Mechanical Animals com Manson, John teve um endorsement da Ibanez com a guitarra AX Custom. Não tendo se entedido com a companhia Ibanez, John preferiu ter o endorsement da Fender que conseguiu na época de The Golden Age Of Grotesque com Manson e tem até hoje. Já foram produzidas várias guitarras da Fender para John com algumas alterações mas sempre em torno do mesmo modelo: a Telecaster, uma paixão de John. Outras características em comum dessas guitarras é que elas são todas pretas com acabamento brilhante e tem um protetor de palhetas cromado.

Rob Zombie

John teve uma breve passagem com a banda Loser, entretanto precisou abandonar o projeto quando foi chamado para ser guitarrista de Rob Zombie. John excursionou com Zombie no Ozzfest de 2005 e escreveu 9 das 11 músicas do disco Educated Horses, de 2006, junto com Rob Zombie e o produtor Scott Humphrey, além de ter tocado guitarra em todas as músicas. John aparece nos vídeos de American Witch e Foxy Foxy. O disco Zombie Live, lançado em 2007, o primeiro ao vivo de Rob Zombie, teve a música The Lords Of Salem indicada para o Grammy na categoria Best Hard Rock Performance com a guitarra de John marcando forte presença. Zombie já declarou que estava pronto para deixar a indústria musical antes de conhecer John.

Ainda em 2007, John lançou seu terceiro disco solo, The Devil Knows My Name, com guitarristas convidados como Joe Satriani, Jim Root (Slipknot, Stone Sour) e Eric Johnson. Esse disco teve a participação também dos outros membros da banda de Rob Zombie, Piggy D., no baixo, e Tommy Clufetos, na bateria, mostrando a união dessa banda. Esse disco rendeu um DVD instrucional de guitarra homônimo com cenas eróticas e violentas.

Em 2008, John lançou seu quarto disco solo, Requiem, em que, além da guitarra, tocou baixo e contou ainda com Tommy Clufetos na bateria. Em 2009, John lançou um CD de remixes de suas músicas instrumentais solo com samples em cima chamado Remixploitation. A capa desse álbum presta homenagem à capa do terceiro e último disco de Jimi Hendrix, Electric Ladyland. Em 2 de fevereiro de 2010, Rob Zombie lançou seu segundo álbum de estúdio com John 5, Hellbilly Deluxe 2. As guitarras de John estão muito presentes nesse disco. Ainda esse ano, John pretende lançar seu quinto disco solo, The Art Of Malice. Atualmente John se encontra em turnê com Rob Zombie e participando de clínicas de guitarra.

One Response to “John 5: glamour, terror e muita guitarra”

  1. John zombie together and tear down!!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: