Archive for August, 2018

Stick Men em SP é do caralho!!!

Posted in Uncategorized on August 31, 2018 by gabrielpalmaguitar

O show da banda Stick Men, no dia 24 de agosto de 2018, uma sexta-feira, em São Paulo, no Carioca Club, foi do caralho!!! O Carioca Club em si é um show à parte por conta da sua iluminação e da sua cerveja muito em conta (uma Skol era apenas dez reais). O meu sonho, quando eu era um aluno de música na Escola de Música de Brasília (EMB), nos anos 2000, era chegar lá e assistir a um show do Liquid Tension, projeto que englobava três membros do Dream Theater: o baterista Mike Portnoy, o guitarrista John Petrucci e o tecladista Jordan Rudess e o baixista Tony Levin. Nessa noite em São Paulo, eu tive um quarto do meu sonho realizado pois eu vi Levin, que, além do Liquid Tension, havia tocado com Bozzio Levin Stevens, Peter Gabriel e King Crimson. Vou confessar aqui que a minha mãe é fã do King Crimson. E, além disso, o Robert Fripp, guitarrista do King Crimson, gravou os discos Heroes e Scary Monsters do David Bowie, artista que eu venero.

A promessa do show do Stick Men era de ter três membros do King Crimson: dois atuais: Levin e o baterista Pat Mastelotto, e o violinista David Cross, que integrou o grupo no início dos anos 70. O Stick Men é uma banda que foi formada por Levin, Mastelotto e Michael Bernier, em 2007. A ideia básica era ser um veículo para os Chapman Sticks. O Chapman Stick é um instrumento criado no início dos anos 70 pelo músico norte-americano de jazz Emmett Chapman. Ele é basicamente um baixo ou uma guitarra construída para ser tocada como um piano. O músico toca o baixo e a melodia simultaneamente como no piano. E as cordas não são dedilhadas ou palhetadas. É utilizada a técnica de two-hand tapping. Dois músicos que difundiram muito essa técnica foram Stanley Jordan e Eddie Van Halen. E o Chapman Stick é um instrumento que foi criado especialmente para essa técnica. As duas mãos ficam perpendiculares ao braço do instrumento e os dedos paralelos às casas.

Bom, e para o show, Markus Reuter na formação atual. E é engraçado mencionar aqui que Mastelotto é membro fundador do Mr. Mister, a banda com aquele sucesso Broken Wings. Sim aquela: Take these broken wings and learn to fly again and learn to live so free.

Antes do show iniciar, ficou passando num telão as próximas atrações da Vega Concerts, produtora do show. E teremos boas atrações: Uli Jon Roth e Jordan Rudess entre elas.

Quando o show iniciou, o público se emocionou mais com a entrada de Levin. O show começou com uma improvisação instrumental interessante, dark até. E foi isso que o show foi basicamente até o final. Quem esperava uma música cantada, não houve. O máximo de “vocais” foram algumas partes faladas por Levin. O som me lembrou, assim como a outras pessoas da plateia, a banda norte-americana Primus, embora eu saiba que ela tenha vindo depois. Eu até acho Levin parecido com Les Claypool, baixista do Primus. Quando eu fui no banheiro, eu ouvi dois caras cantando My Name Is Mud, do Primus, ao som do Stick Men! A imagem de fundo do palco do show foi uma caricatura dos membros do Stick Men semelhante aos personagens do South Park, série que o Primus fez a música tema!

Antes de Hide The Trees, Levin deu um tímido “Oi, gente”, em português. A performance de Levin é basicamente se concentrar em seu instrumento e em partituras! Sim eles estavam com partituras no palco! Já o alemão Reuter tocava sem olhar seu instrumento, encarando fixamente a plateia ou o horizonte. Mastelotto tinha uma boa performance na bateria, gesticulando e empolgando muito. Cross estava com um chapéu e um violino azul que soava como uma guitarra solando. Confesso que às vezes não sabia quem estava solando: Cross ou Reuter.

Antes de eles tocarem Sartori In Tangier, Mastelotto falou com a plateia. Ele disse que Levin participou da gravação dessa música no disco Beat, do King Crimson, lançado em 1982. Mastelotto disse que a música falava sobre “enlightenment”, iluminação ou sabedoria, em português. Tânger, segundo a Wikipédia, refere-se a uma cidade em Morrocos onde os escritores beat residiam e usavam como local para suas histórias. Esse disco tem outro guitarrista famoso: Adrian Belew, que fez a turnê de Heroes de Bowie e gravou vários discos com o Nine Inch Nails a partir dos anos 90. E o baterista desse disco é Bill Bruford, membro fundador da banda Yes. Acho importante trazer essas memórias quando se trata do Stick Men para se ter um entendimento melhor do grupo.

Antes de tocar uma música do disco Prog Noir, o último da banda, de 2016, Mastelotto falou novamente. Ele disse que na época Reuter tinha viajado à Índia e voltado “iluminado”. Ele disse que, na noite em que tinham acabado de gravar o disco, Reuter passou mal e percebeu que era porque o disco ainda estava incompleto. Então ele decidiu passar a madrugada compondo uma última música para o álbum. E, segundo Mastelotto, saiu uma música bem complexa em termos rítmicos. E ele nos desafiou a entendê-la, como o Brasil é um país muito rítmico.

O Stick Men é mesmo complexo…e muito bom!!! Agradecimentos especiais a Humberto Miranda, produtor musical e assessor de imprensa do Carioca Club.

Setlist

1. Improv.
2. Hide The Trees
3. Cusp
4. The Talking Drum (King Crimson)
5. Larks’ Tongues In Aspic, Part Two (King Crimson)
6. Crack In The Sky
7. Schattenhaft
8. Sartori In Tangier (King Crimson)
9. Swimming In Tea
10. Red (King Crimson)
11. Mantra
12. Prog Noir
13. Starless (King Crimson)
14. Level Five (King Crimson)
15. Open Improv.

Twitter

Esse post foi retweettado por Markus Reuter!

Esse post foi marcado como favorito por Markus Reuter!

Advertisements

Stick Men, com Tony Levin, toca em SP dia 24

Posted in Uncategorized on August 19, 2018 by gabrielpalmaguitar

Stick Men

A banda Stick Men, com o maravilhoso baixista Tony Levin (há inúmeros adjetivos para descrever a sua grandeza, mas esse é um deles), vai tocar em São Paulo, no Carioca Club, na sexta-feira (24). Levin, que já tocou com o King Crimson, será acompanhado por mais dois músicos que também já tocaram nessa banda progressiva histórica: o baterista Pat Mastelotto e o violinista David Cross, além do multiinstrumentista Markus Reuter. A produção executiva é da Vega Concerts.

Stick Men @ São Paulo

Data: 24 de agosto de 2018

Local: Carioca Club – Rua Cardeal Arcoverde, 2899 – São Paulo
Abertura da casa: 20 horas
Horário do Show: 22 horas
Censura 18 anos

Primeiro lote de ingressos à partir de R$ 125,00 (Esgotado)
Segundo lote R$ 150,00 (pista) e R$ 190 (camarote)

Vendas: Clube do Ingresso