Kip Winger em Brasília

img-20190330-wa0028-331361011.jpg

Kip Winger e Robbie Rothchild

Texto: Gabriel Palma

Fotos: Maurício Kozak

O dia 29 de março de 2019, uma sexta-feira, foi um dia importante. Kip Winger, vocalista e baixista do Winger, tocaria em Brasília, no Toinha Brasil Show, com o percussionista Robbie Rothchild. Então, ao invés de termos aquele show da banda Winger ao qual estamos acostumados: elétrico, empolgante, com Reb Beach nas guitarras e Rod Morgenstein na bateria (o show que eu vi em Belo Horizonte (BH), no dia 10 de fevereiro de 2015, o guitarrista base John Roth não tocou, foi substituído por Donnie Smith, guitarrista de turnê), tivemos um set acústico com Kip Winger tocando em um lindo violão 12 cordas.

img-20190330-wa0017-701767531.jpg

Eu, Renata, Maurício Andrade e Maurício Kozak

Eu nunca tinha ido ao Toinha Brasil Show, que fica no Setor de Oficinas (SOF) Sul, Quadra 9, no Guará. Eu fui com a minha esposa, Renata, e nossos amigos Maurício Kozak e Maurício Andrade. Nenhum de nós tínhamos ido lá antes. O Kozak foi particularmente interessado no Toinha porque será lá que a banda The Sisters Of Mercy tocará no dia 7 de novembro de 2019. Kozak inclusive me chamou para entrevistar o Andrew Eldritch, vocalista do Sisters, para a Rádio Zoom Music. Mas eu e a Renata tínhamos um motivo especial para ir a esse show. Depois do show do Winger em BH, nós decidimos nos casar.

img-20190330-wa0025-994564186.jpg

Eu, Renata e Maurício Andrade

Bom, eu achei o Toinha Brasil Show um lugar difícil de achar, até porque não tinha muita movimentação ao redor como cambistas, pessoas vendendo camisetas, quiosques de cachorro quente e bebidas. E no SOF Sul não tem nada aberto à noite, o que é bom para uma casa de shows porque não incomoda ninguém. Pela minha percepção, a entrada para chegar lá é a do Shopping Casa Park, perto do Park Shopping, do outro lado da pista da Rodoviária Interestadual de Brasília. Aliás, uma dica para quem passar por lá e precisar tirar dinheiro: tem um caixa 24h na Rodoviária Interestadual de Brasília. Não achamos nenhuma no Guará! E o Toinha Brasil Show não fica no Guará, mas sim na região administrativa (RA) do Guará.

img-20190330-wa00231621050322.jpg

Letreiro no fumódromo a céu aberto

O Toinha Brasil Show tem um letreiro legal, tinha um segurança simpático na porta chamado Johnathan. Eu achei estranho porque na Ticket Brasil a inteira estava anunciada por R$ 140 e a meia por R$ 70. E na bilheteria o ingresso foi vendido pelo preço único de R$ 80. Enfim, entrando no Toinha, várias decorações. Tem quadros 3D que mudam a imagem e um quadro do Ozzy Osbourne, entre outros. Fiquei impressionado com o tamanho do ambiente: pequeno. Tinham umas mesas com cadeiras e um palco baixo. Ao entrar mais, um fumódromo gigante bem bonito a céu aberto com palmeiras. O piso de madeira maciça rústica e os bancos de concreto. Aliás, indo para os banheiros, grandes paredes de concreto que dão um ar bem moderno ao ambiente. Tinham também sofás vermelhos. Mas um segurança me explicou que esse é só um dos ambientes do Toinha, que tem um ambiente ao lado bem maior que recebe atrações com mais público como o Phil Anselmo do Pantera.

img-20190330-wa0003614832915.jpg

Quadro do Ozzy Osbourne

A banda Planno abriu o show. Eles tocaram músicas autorais e alguns covers como I Saw You Saying (That You Say That You Saw), dos Raimundos, e Come Together, dos Beatles. Com o término da apresentação do Planno, após alguns minutos, sobe ao palco Kip Winger e Robbie Rothchild. Eu me empolguei demais ao ver Kip Winger na minha frente. Ninguém se atreveu a ir lá na frente, mas eu fui. Tentei cumprimentá-lo, mas Kip Winger não parou para fazer isso, ficou afinando seu violão. Eu mostrei pra ele as minhas tatuagens do Mötley Crüe, uma banda de hard rock americana, assim como o Winger. Coisa de fã. Cumprimentei alguns conhecidos na plateia: o Daniel, que estava com uma camiseta do Mötley Crüe com a capa do disco Theatre Of Pain, de 1985, que tem as caras do teatro; a  Rosane “Zane” Galvão, baixista do Flammea; a Bia; o Marco; e o Gabriel, meu xará, que estudou comigo no Marista.

img-20190330-wa0009-816641101.jpg

Quadros 3D que mudam a imagem ao lado da bilheteria

Não me lembro exatamente a ordem do setlist do show do Kip Winger, mas sei as músicas que me marcaram. Easy Come Easy Go foi uma delas! Essa é do segundo disco do Winger, In The Heart Of The Young, lançado em 1990. Ela foi composta por Kip Winger com o Reb Beach. Eu cantei ela toda! Segue o refrão dela abaixo!

Easy come easy go,
This won’t break my heart,
Don’t ya know
Sometimes high, sometimes low,
Easy come easy go
img-20190330-wa00151458440108.jpg

Eu assistindo ao Kip Winger

Outra música muito empolgante foi Down Incognito. Essa música é do terceiro álbum de estúdio do Winger, Pull, lançado em 1993. Ela foi composto por Kip Winger com o Reb Beach e também fez parte do segundo álbum solo de Kip Winger, Down Incognito, lançado em 1998. Segue um trecho da letra abaixo!
‘Cause I’m all out of time
And I’m all out of money
Hangin’ Down Incognito
Waitin’ for the sun to shine
Counts to the left
Jokers to the right
Countin’ on the rest of us
To come and take a bite
img-20190330-wa00362088892409.jpg

Kip Winger e Robbie Rothchild

Kip Winger também tocou Miles Away. Essa os Maurícios reconheceram. Ela fez parte da coletânea Lovy Metal, da Som Livre. Miles Away também é do disco In The Heart Of The Young e foi composta por Paul Taylor, tecladista e guitarrista base do Winger na época. Assim como Kip Winger, Paulo Taylor tocou com Alice Cooper nas turnês dos álbuns Constrictor (1986) e Raise Your Fist And Yell (1987). Depois de saírem do Alice Cooper, eles formaram o Winger.
img-20190330-wa0029-501097764.jpg

Kip Winger e Robbie Rothchild

Kip Winger também tocou Hungry e Madaleine, ambas do disco de estreia do Winger, Winger, lançado em 1988. Eu empolguei muito com Madaleine! Madaleine foi o primeiro single do Winger. Segundo Kip Winger, ela foi uma das primeiras quatro músicas que ele compôs com o guitarrista Reb Beach e que ela foi baseada em alguns riffs que o Reb Beach tinha. Reb Beach disse isso em seu workshop em Brasília, em outubro de 2013. “Geralmente eu faço vários riffs de guitarra e o Kip Winger faz uma música com eles”, disse Reb Beach rindo. Segue a letra dela abaixo!
Tell ya ’bout this lady
Such tender eyes, such a sweet believer, the story never lies
When I found you girl, you were so far down, a black cat in disguise
How in the world could it come to this
Couldn’t you see that you’d gone too far
Saving your soul for that one last kiss
Living your wish upon a star
Madalaine, this is love too tough to tame
Madalaine, beware of the girl, beware of the pain
Running scared through the dark of the day, the story never dies
But the names keep changin’ and the faces fade, take you dead or alive
How in the world could it come to this
Couldn’t you see that you’d gone too far
Saving your soul for that one last kiss
Living your wish upon a star
Madalaine, this is love too tough to tame
Madalaine, beware of the girl, beware of the pain
All your glory was left like an angry child
Waiting to take your luck away
But you can’t see you’re still running wild
Oh Madalaine, now don’t run away from me
Madalaine, this is love too tough to tame
Madalaine, beware of the girl, beware of the pain
Madalaine, this is love too tough to tame, too tough to tame…
img-20190330-wa00321484511245.jpg

Kip Winger

Kip Winger também tocou Headed For A Heartbreak, uma música linda! No workshop que Reb Beach deu em Brasília, em outubro de 2013, ele contou que o Richie Sambora, guitarrista do Bon Jovi na época, chegou para ele e disse que ele o admirava porque a duração do solo de Headed For A Heartbreak é muito longa. “Eu não tenho um vídeo com um solo longo desses na MTV!”, teria dito Richie Sambora, segundo Reb Beach! Eu realmente senti a falta do Reb Beach no show. Eu fiquei gritando: “Where’s Reb Beach? (Onde está Reb Beach, em inglês)”, mas o Kip Winger não me respondeu.
img-20190330-wa0010244223321.jpg
Outras músicas legais que o Kip Winger tocou foi Can’t Get Enuff e Rainbow In The Rose, ambas do disco In The Heart Of The Young. Eu sei que eu gritei Seventeen!!! E Kip Winger respondeu: “Of course I’m going to play Seventeen!!! (É claro que eu vou tocar Seventeen!!!, em inglês”. E em seguida tocou Seventeen. Aí eu pirei! Seventeen é do primeiro disco do Winger. Quando terminou o show, Kip Winger pegou na minha mãe e disse: “Thank you!!! (Obrigado!!!, em inglês)”. Eu quis trocar uma ideia com ele, mas ele foi direto para o camarim e eu fui barrado pelo segurança. Agradecimentos especiais ao Maurício Kozak pelas fotos!!!

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: