Archive for the Uncategorized Category

Ride toca no Brasil em abril

Posted in Uncategorized on February 13, 2019 by gabrielpalmaguitar

O Ride, banda do indie rock britânico da primeira década dos anos 90, tocará pela primeira vez no Brasil no Audio Club, em São Paulo, no dia 27 de abril. Eu assisti ao show do Peter Hook & The Light no Audio Club, em 2018, e o local é incrível! (1, 2)

Balaclava ou touca ninja

O Ride será a principal atração do Balaclava Fest. Uma balaclava ou touca ninja é um gorro confeccionado normalmente com malha de lã (misturada com tecidos elásticos) que se veste de forma ajustada da cabeça até o pescoço. Sua função tradicional é a proteção contra o frio. Mas ela é conhecida em algumas regiões por ser utilizada para práticas de assaltos.

Rafael Farah e Fernando Dotta

O festival é da produtora e gravadora Balaclava Records. Fernando Dotta e Rafael Farah são amigos desde 2009, tiveram uma banda juntos e criaram a Balaclava em 2010. Neste ano será realizada a nona edição do festival. Em 2010, Dotta e Farah formaram a banda Single Parents, com Dotta na guitarra e Farah na bateria. O primeiro show da banda foi em fevereiro de 2010, na casa noturna Outs, na Augusta. (3)

A banda inglesa Yuck, que tocou na edição em Porto Alegre do Balaclava Fest em novembro de 2016

As outras edições do Balaclava Fest trouxeram as bandas inglesas Swervedriver, no Cine Joia, em maio de 2016; e Slowdive, no Cine Joia, em maio de 2017; além de uma edição em Porto Alegre, em novembro de 2016, com a banda inglesa Yuck.

Ride

O Ride foi formado em Oxford, na Inglaterra, em 1988. O Ride lançou quatro discos entre 1990 e 1996. Eles viraram ícones do shoegaze, mas terminaram após o mal sucedido Tarantula. O álbum de estreia deles, Nowhere, é considerado um dos álbuns mais importantes do shoegaze. A música mais famosa do Ride é Vapour Trail, a faixa que encerra Nowhere. Eu recomendo que vocês a ouçam. (4, 5, 6)

Andy Bell: dez anos no Oasis

O guitarrista solo e vocalista do Ride, Andy Bell, foi baixista do Oasis de 1999 a 2009, quando o Oasis acabou.

O hiato do Ride durou até 2015, quando eles voltaram a tocar juntos no Coachella. Em 2017, eles lançaram Weather Diaries, o primeiro álbum em mais de 20 anos.

Participam também do Balaclava Fest a cantora camaronense Vagabon e os paulistanos do Terno Rei. Mais nomes serão adicionados ao lineup.

Serviço

Ride no Balaclava Fest

Quando: 27 de abril, no sábado

Onde: Audio Club – Av. Francisco Matarazzo 694, Barra Funda, São Paulo

Ingressos: https://www.ticket360.com.br/evento/10109/balaclava-fest?fbclid=IwAR3iFQGw_w27Xa77fFR3s4IzZzxNPRdh32xcsam7q2WJkxlJtXtVsasDo_o

Referências

(1) Vagalume

https://www.vagalume.com.br/news/2019/02/05/classica-banda-do-indie-rock-britanico-ride-vira-ao-brasil-pela-primeira-vez.html

(2) Gabriel Palma Guitar https://gabrielpalmaguitar.wordpress.com/?s=Peter+Hook&submit=Search

(3) Revista Trip https://www.google.com/amp/s/revistatrip.uol.com.br/trip/o-selo-balaclava-e-um-dos-principais-nucleos-de-producao-do-rock-independente-brasileiro/amp

(4) Wikipedia https://en.m.wikipedia.org/wiki/Ride_(band)

(5) Estadão https://cultura.estadao.com.br/blogs/guilhermesobota/icone-do-shoegaze-banda-ride-vem-pela-primeira-vez-ao-brasil-no-balaclava-fest/

(6) Ride – Vapour Trail

Advertisements

Kip Winger toca no Brasil em março

Posted in Uncategorized on February 8, 2019 by gabrielpalmaguitar

Em março o multi-instrumentista norte-americano Kip Winger faz quatro shows no Brasil. O primeiro será no dia 27, em Florianópolis; depois em Brasília, no dia 29; Rio de Janeiro, no dia 30; e São Paulo, no dia 31.

Kip Winger tocará no Brasil após o Carnaval (2 a 6) e a turnê de Dee Snider no Brasil (21 e 23), vocalista do Twisted Sister, e durante a turnê do eterno Beatle Paul McCartney no país (26, 27 e 30).
Desta vez Kip Winger tocará sem a sua banda Winger. Eu assisti ao show do Winger no dia 10 de fevereiro de 2015, no Granfino’s, famosa casa de shows de Belo Horizonte (BH). Foi maravilhoso!

Reb Beach, eu e Doug Aldrich em 2013

Inclusive eu já tinha ido a um workshop do guitarrista do Winger, Reb Beach, quando ele veio tocar com o Whitesnake em Brasília, em outubro de 2013. Foi a partir desse workshop que eu virei um verdadeiro fã do Winger. (1 e 2)

Reb Beach autografou o meu CD Lovy Metal 1, que tem a música do Winger, Miles Away, uma linda balada romântica.

Eu tirei uma foto com o guitarrista Donnie Smith, no show de BH, no dia 10 de fevereiro de 2015, que foi substituto de John Roth, que não veio ao Brasil por estar em turnê com sua outra banda, o Starship.

Donnie também autografou o encarte do CD da trilha sonora de Bill & Ted’s Bogus Journey, Bill & Ted – Dois Loucos no Tempo, de 1991. A trilha tem a ótima música Battle Stations, do Winger. Também tenho os autógrafos de Richie Kotzen e Steve Vai nesse encarte, com as músicas Dream Of A New Day e The Reaper Rap, respectivamente. Esse filme tem o ator Keanu Reeves e se assemelha a Wayne’s World, Quanto Mais Idiota, Melhor, de 1992.

Essa noite foi especial para mim porque eu fui de carro de Brasília para BH com a minha namorada, Renata Carvalho. Após o show, nós ficamos noivos e casamos no dia 8 de abril de 2015. Foi incrível porque a Renata, embora fosse fã de post-punk, me levou para ver o show do Winger, que é hard rock.

No Brasil, Kip Winger, ao lado de seu percussionista Robbie Rothchild, promete reviver os tempos do seu segundo álbum solo Down Incognito, de 1998. O disco tem versões acústicas de músicas dos três primeiros álbuns do Winger. Kip Winger disse que ele elaborou os arranjos acústicos para as músicas durante a sua turnê das livrarias Borders, extintas em 2011. Nessa época ele aprendeu os hits do Winger em um violão de 12 cordas.

O repertório dos shows no Brasil contará com os grandes clássicos do Winger, como Miles Away, Seventeen, Rainbow In The Rose, Down Incognito, Headed For A Heartbreak e Blind Revolution Mad, além de músicas de sua carreira solo dos álbuns This Conversation Seems Like A Dream, de 1997; Songs From The Ocean Floor, de 2000; e From The Moon To The Sun, de 2008.

Vinil de Winger, de 1988

As músicas Seventeen e Headed For A Heartbreak são do disco de estreia do Winger, Winger, de 1988. Esse álbum virou platina nos Estados Unidos e ouro no Canadá e no Japão.

CD de In The Heart Of The Young, de 1990

As músicas Miles Away e Rainbow In The Rose são do segundo disco do Winger, In The Heart Of The Young, de 1990. Esse álbum tem outras músicas maravilhosas como Easy Come Easy Go, Can’t Get Enuff, Loosen Up e Under One Condition, entre outras.

Vinil de Pull, de 1993

As músicas Down Incognito e Blind Revolution Mad são do terceiro disco do Winger, Pull, de 1993. Esse álbum tem uma música que eu gosto muito, Junkyard Dog (Tears On Stone).

Eu perdi o show do Kip Winger quando ele tocou no dia 2 de junho de 2012, em Brasília.

A produção é da Free Pass Entretenimento.

Referências

(1) Reb Beach – Seventeen

(2) Reb Beach – Headed For A Heartbreak

Serviço

Kip Winger no Brasil

Florianópolis

Onde: Teatro Álvaro de Carvalho (TAC) – Rua Mal. Guilherme 26, Centro

Quando: 27 de março, às 20h, na quarta-feira

Brasília

Onde: Brasil Toinha Show – SOF Q 9, Guará

Quando: 29 de março, às 21h, na sexta-feira

Rio de Janeiro

Onde: Teatro Odisséia – Avenida Mem de Sá 66, Centro

Quando: 30 de março, no sábado

São Paulo

Onde: Manifesto Bar – Rua Iguatemi 36, Itaim Bibi

Quando: 31 de março, às 18h, no domingo

Bright Candles, uma banda para o mundo

Posted in Uncategorized on February 6, 2019 by gabrielpalmaguitar

O Bright Candles começou em 2013 com Renata Carvalho, nos vocais, e Mateus Off, na programação eletrônica.

A foto acima é do primeiro ensaio da banda.

O primeiro show da banda foi no Espaço Cultural Walden; Ou, Abrigo No Bosque Pé Na Estrada, na Praça da República, no cruzamento da Avenida São Luís com a Ipiranga, em São Paulo, no dia 2 de agosto de 2013.

Os donos se inspiraram no livro Walden ou A Vida nos Bosques, uma autobiografia do autor transcendentalista estadunidense Henry David Thoreau.

Esse show ao vivo está disponível no Bandcamp, uma plataforma online para artistas independentes conseguirem divulgar e vender a sua música autonomamente. (1)

O segundo show foi no bar Z Carniceria, que era açougue e abatedouro e passou a servir drinks e petiscos sofisticados em meio a temas e objetos da sua história. O bar existe até hoje e fica na Avenida Brigadeiro Faria Lima, em São Paulo.

O próximo show do Bright Candles foi na lendária casa noturna de São Paulo, Madame Satã, na Rua Conselheiro Ramalho, na Bela Vista.

Em 2014, o Bright Candles tocou na extinta Salada Cultural Bistrô, do Sérgio, em Brasília, na 716 Norte. A discotecagem foi da DJ Kell Kill.

A banda ainda tocou em 2014 no finado América Rock Club, no Pistão Sul, em Taguatinga.

No dia 2 de janeiro de 2015, foi lançada a coletânea Various Artists – Solid Album by The Blog That Celebrates Itself. O Bright Candles participou com a música Hálito de Mel. The Blog That Celebrates Itself (TBTCI) é um selo independente paulista, de São Bernardo do Campo, com post-punk grátis no Bandcamp. O dono é o Renato Malizia. (2, 3 e 4)

Gabriel Palma passou a integrar o Bright Candles como guitarrista em 2017. Gabriel e Renata decidiram passar as músicas antigas do português para o inglês e criar novas músicas em inglês. Hálito de Mel virou Breath Of Honey. Eles também fizeram a música Break Your Chains.

Eles gravaram Breath Of Honey e Break Your Chains no estúdio do Chicão, no Sudoeste.

Referências

Bright Candles no Bandcamp

(1) https://ob-w.bandcamp.com/album/ao-vivo-no-ec-walden-02-08-2013

Bright Candles no The Blog That Celebrates Itself (TBTCI)

(2) https://theblogthatcelebratesitself.bandcamp.com/track/bright-candles-h-lito-de-mel

(3) https://theblogthatcelebratesitself.bandcamp.com/album/va-solid-album

(4) https://www.discogs.com/Various-The-Blog-That-Celebrates-Itself-Presents-Solid/master/778975

(5) Breath Of Honey

(6) Break Your Chains

Canal no YouTube

https://www.youtube.com/channel/UCQTMNfPO4qhf53mibgrXhGg

Instagram

Bright Candles

E-mail

brightcandles2017@gmail.com

Telefone

(61) 99414-5287

Bandas de Brasília: Rosa dos Ventos

Posted in Uncategorized on January 31, 2019 by gabrielpalmaguitar

Em 1997, com o término da Psycho Shadows, a vocalista Renata Carvalho montou a banda Morrigan, com Maurício Sonic, vindo do Haters, nas guitarras, e Marky, no baixo. Eles tocaram no Gama (DF), no festival Noites Góticas, organizado por Fofão Knox. Eduardo “Morpheus” Affinito foi a esse show com alguns amigos de São Paulo. “Assistimos a um show energético e empolgante”, diz Morpheus na quarta edição do seu zine De Profundis. Morrigan é a deusa celta da batalha, do conflito e da fertilidade.

Em 2002 a banda passou por mudanças: Moisés Paiva, ex-Psycho Shadows, assumiu no baixo, e Ney Correa, ex-Pompas Fúnebres, na bateria, e o nome mudou para Rosa dos Ventos. A rosa dos ventos é uma imagem que representa os quatro sentidos fundamentais, os pontos cardeais, e seus intermediários.

A influência da banda foi o post-punk, ou pós-punk, um gênero musical que surgiu na Inglaterra após o auge do punk rock em 1977. O estilo manteve as raízes do movimento punk, mas de maneira mais introspectiva, minimalista e experimental.

No dia 23 de fevereiro de 2002, a Rosa dos Ventos tocou no Bar Aldeia, em Taguatinga. “Nesse evento nós tocamos com as bandas Mentes Póstumas e Stone Fish, ambas do estilo shoegaze”, diz Renata.

O shoegaze é um subgênero do indie rock e do rock alternativo, que surgiu no Reino Unido, no final dos anos 80. Ele é caracterizado por uma mistura de sons etéreos.

No dia 28 de setembro de 2002, a banda tocou no Armagedom, no Lago Sul, na subida da QI 23, ao lado do Big Box. O nome da festa foi provavelmente por causa da música Imagination, da banda neerlandesa Clan Of Xymox, ou Xymox. A música é do terceiro álbum do Xymox, Twist Of Shadows, de 1989.

Tocou também a banda Vesuvia, de São Paulo, do vocalista Márcio Calixto. Se apresentou ainda a brasiliense A Banda Invisível, do Marquinhos, e os DJs Morpheus, o Eduardo Affinito, de São Paulo, que distribuiu seu zine De Profundis; Boscox, o Bosco, irmão da Renata, que fez um trocadilho com a banda punk inglesa Buzzcocks; e Constantine, o Maurício Kozak.

No dia 4 de março de 2003, terça de Carnaval, a banda tocou no Kingstown Hotel, em Taguatinga, com os DJs Boscox; Orpheus, o Marquinhos; e Constantine.

No dia 7 de abril de 2003, a banda tocou novamente no Kingstown Hotel. Se apresentou também a banda Vitrine, de Davi Kaos, e A Banda Invisível, além dos DJs Orpheus, Bosco e Constantine. Epidendrum Nocturnum era uma zine brasiliense que foi distribuída no show.

A Rosa dos Ventos tocou na coletânea Epidendrum Nocturnum – Um Tributo ao Lupercais. Entraram as músicas Silêncio e Flores. (1, 2 e 3) Epidendrum nocturnum é o nome de uma flor solitária. Lupercais era uma banda brasiliense. Lupercais era o nome de um festival pastoril romano que servia para espantar os maus espíritos e purificar a cidade. Isso foi adotado mais tarde nas festas de carnaval.

No dia 4 de maio de 2003, a banda tocou no Kingstown Hotel, com A Banda Invisível e os DJs Boscox e Constantine.

Em 2003 a banda participou da terceira edição da coletânea paulista De Profundis. Entraram as músicas Canção Noturna e O Rei Infeliz. Na época a banda tocou na festa de lançamento desse CD em Curitiba (PR), no dia 11 de outubro, no Rephinaria Café e Cachaçaria. (4, 5 e 6)

“Lá nós tocamos com a curitibana Cores de Flores, da vocalista curitibana Marielle Loyola, que foi das bandas brasilienses Arte no Escuro e Escola de Escândalo”, diz Renata.

A Rosa dos Ventos aparece em artigo da quarta edição do zine eletrônico e impresso De Profundis, de Eduardo Affinito, o Morpheus. (7)

Em 2003 a Rosa dos Ventos participou do festival Rolla Pedra no UK Brasil Pub, hoje UK Music Hall, na 411 Sul. “Quebrei o calcanhar e, no outro dia, fui cantar com o gesso ainda molhado e tudo. Depois saiu uma crítica, dizendo que eu não agitei durante o show, mas foi um ótimo show!”, diz Renata.

Em 2004 Leandro substituiu Moisés no baixo.

No dia 9 de abril de 2005, a banda tocou na 7a edição da Thorns Gothic Rave. Lá eles tocaram A Dança dos Invencíveis e Mentiras, com a participação de Márcio Calixto. “Foi um show muito grande! Tocamos com a banda brasiliense Plebe Rude e com a alemã Das Ich”, lembra Renata. (8 e 9)

Maurício Mângia, diretor da Thorns Gothic Rave, foi assassinado a tiro em um assalto no trânsito, em Santo André, na Grande São Paulo, em junho de 2006.

No dia 9 de novembro de 2007, a Rosa dos Ventos tocou na Fnac de Brasília, com JP na guitarra, Luke no baixo e Alex Sales na bateria. (10)

Referências

(1) Rosa dos Ventos – Silêncio

(2) Rosa dos Ventos – Flores

(3) Epidendrum Nocturnum http://whoresdark.blogspot.com/2009/08/epidendrum-nocturnum-um-tributo-ao.html?m=1

(4) Rosa dos Ventos – De Profundis https://www.discogs.com/Various-De-Profundis-Vers%C3%A3o-Brasileira/release/1388642

(5) Rosa dos Ventos – De Profundis https://www.google.com/amp/s/m.bonde.com.br/entretenimento/musica/noticias/alem-do-gotico-39880.html

(6) Rosa dos Ventos – De Profundis https://www.baratosafins.com.br/deprofundisselo.htm

(7) De Profundis zine https://www.google.com/amp/s/contraforma.wordpress.com/2012/12/13/de-profundis/amp/

(8) Thorns Gothic Rave 7

(9) Thorns Gothic Rave 7

(10) Rosa dos Ventos – Fnac

Bandas de Brasília: Psycho Shadows

Posted in Uncategorized on January 22, 2019 by gabrielpalmaguitar

A banda Psycho Shadows foi formada em Brasília, em 1991, pelas irmãs Renata Carvalho, nos vocais, e Débora Carvalho, na flauta e nos vocais; Ana Cristina, na guitarra; Luiz Carlos, no baixo; e Bosco, irmão de Renata e Débora, na bateria.

Em 1993 Rubens substituiu Bosco na bateria. Em um show na Fundação Nacional de Artes (Funarte), localizada no Eixo Monumental, entre a Torre de TV e o Clube do Choro, Rubens relata que Renata deu 30 fichas de cerveja pra ele e que, durante o show, ele caiu da bateria!

Moisés Paiva substituiu Luiz no baixo em 1994. Ana saiu e entraram dois guitarristas: Milani e Andreath.

Em 1995, Marcelo Fernandes Rocha, o Marcelo Café, assumiu a bateria no lugar de Rubens e a banda tocou em Curitiba, em setembro, a convite de Alessandra Jugnet, que tinha acabado de voltar da França. Lá eles tocaram no Bar do Meio Curitiba, no show Da Cozinha para o Palco. As Garçonetes, banda de Alessandra, também tocaram.

No dia 19 de outubro de 1996, a banda tocou na Samambaia, em show organizado por Maurício Sonic, da banda Haters. The Ânus era também banda de Moisés.

Em 1997 a banda entrou no CD Coletânea Cult 22, do programa de rádio homônimo da Rádio Cultura FM 100,9, com a música Fuck Me. A banda gravou a música no famoso e conceituado estúdio Zen Studios, no Edifício Brasília Rádio Center, na Asa Norte. Mas a versão que acabou entrando no CD foi a de uma demo, o que acabou deixando a banda frustrada.

O Psycho Shadows tocou no show de lançamento do CD Coletânea Cult 22.

Ainda em 1997, a banda ainda participou da coletânea Atitude, produzida por Felipe CDC. Foram incluídas as músicas Your Soul e Dreams.

Da esquerda pra direita em sentido horário: Andreath, Moisés Paiva, Marcelo Café, Renata Carvalho, desconhecida, Débora Carvalho e Lincoln

Em 1997 o Psycho Shadows tocou em um festival de rock.

Gabriel Palma Guitar completa 10 anos!

Posted in Uncategorized on January 20, 2019 by gabrielpalmaguitar

Minha família em 2019: Igor, Renata, Pérola, eu, minha mãe e Heitor (da esquerda para a direita em sentido horário)

O primeiro post no Gabriel Palma Guitar foi publicado no dia 2 de julho de 2009. E foi sobre a música Frère Jacques. Na época eu era professor de guitarra e violão já há nove anos. E a minha mãe, Marcia Barr, também jornalista e amante de música, sugeriu que eu fizesse um blog como ferramenta de estudo para meus alunos. Como eu tinha muitos alunos crianças, o meu primeiro post foi sobre uma música para crianças que eu ensinava: Frère Jacques.

Nesse meio tempo, eu tive dois filhos: Heitor, em 2014, e Pérola, em 2016. Com eles aprendi muitas músicas de crianças com Palavra Cantada, Galinha Pintadinha e Patati Patatá, entre outros.

No ano passado, pude cobrir muitos shows internacionais, morando em São Paulo, com a ajuda da minha esposa, Renata Carvalho. Em 2019, de volta a Brasília, minha cidade natal, continuarei cobrindo shows internacionais aqui.

Novas ideias surgiram, como as retrancas Músicas que você deve conhecer e Bandas de Brasília. O Gabriel Palma Guitar é o local onde posso dar vazão ao meu amor à música e à música que pulsa em minhas veias. Fiquem ligados porque muitas coisas boas virão por aí!

Beatles para Crianças 2 vem para Brasília no dia 26 de janeiro

Posted in Uncategorized on January 18, 2019 by gabrielpalmaguitar

O projeto Beatles para Crianças (BPC) volta a Brasília em sua segunda edição. Será no dia 26 de janeiro, no sábado, com três horários: 15h, 17h e 19h, no Teatro Royal Tulip. Desta vez eles prometem canções do quarteto de Liverpool ainda não apresentadas para a criançada como Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, She Loves You, Ob-La-Di Ob-La-Da e Octopus’s Garden, entre outras.

Estão previstas histórias novas e uma produção visual com vídeos e animações. O objetivo do grupo é que o show seja ainda mais dançante, mais empolgante e mais emocionante para crianças e adultos. “Um momento especial, onde pais e filhos se divertem juntos e com música de qualidade”, diz o grupo, que já fez uma turnê de mais de dois anos de sucesso pelo Brasil.

As crianças também serão apresentadas a novos e diferentes instrumentos musicais, como banjo, gaita, sanfona, escaleta e muitos outros. O grupo recomenda se preparar para uma bagunça musical e divertida!

Serviço

Beatles para Crianças 2

Onde: Teatro Royal Tulip Brasília Alvorada (Próximo ao Palácio da Alvorada) – SHTN, Brasília, DF

Quando: 26 de janeiro, sábado, às 15h, 17h e 19h

Ingressos:

R$ 130 (inteira)

R$ 65 (meia)

R$ 80 (social)

Valores dos ingressos sujeitos a alterações sem aviso prévio.

Crianças de colo de até 1 ano e 11 meses, ocupando o mesmo assento do responsável, não pagam.

Crianças de 2 a 12 anos pagam meia entrada sem a necessidade de apresentação de carteirinha.

Ingresso social: mais 2 kg de alimentos não perecíveis.